FCSN // Newsletter // 2016 // Fall 2016 // Desenho Universal de Aprendizagem (UDL)

a

Desenho Universal de Aprendizagem (UDL)

Teacher and children in classroom

Scott Lapinski, Doctoral Candidate in Curriculum and Instruction at Boston CollegeNão há nada mais importante do que garantir que as necessidades de aprendizagem de todas as crianças sejam atendidas em sala de aula. Cada criança tem um conjunto único de pontos fortes e habilidades que ela usa ao aprender e crescer. Com o planejamento atencioso e a parceria com os pais, os educadores podem criar salas de aula inclusivas e acolhedoras para todos os alunos em termos acadêmicos, sociais e emocionais. Uma maneira de criar salas de aulas mais inclusivas é pelo Desenho Universal da Aprendizagem (UDL, pelas siglas em inglês).

O que é o Desenho Universal da Aprendizagem?

O UDL, um conceito desenvolvido no Center for Applied Special Technology (CAST) no final dos anos 1990, é um sistema educacional que ajuda os educadores a criar ambientes de aprendizagem flexíveis e inclusivos i . Ao usar o sistema UDL, recomenda-se que educadores concentrem-se na criação de ambientes de aprendizagem eficazes para todos os alunos na sala de aula, inclusive aqueles que têm dificuldades para aprender. Tal foco é importante porque quando os ambientes de aprendizagem são melhores para quem tem dificuldade para aprender, também o são para todos os alunos. Em suma, todos ganham.

UDL e planejamento instrucional

O UDL é implementado principalmente com o planejamento curricular proativo. Em geral, os currículos são os planos instrucionais do educador. São o que ele quer que o aluno aprenda (resultados ou objetivos), como ajudarão o aluno a alcançar os objetivos (métodos), quais ferramentas e tecnologias serão apresentadas ao aluno (materiais) e como o educador saberá se os objetivos foram alcançados (avaliações) ii.

Os currículos criados precisam ser flexíveis para poder funcionar com uma variedade de alunos e eliminar o número maior possível de barreiras à aprendizagem. É importante criar currículos flexíveis porque os educadores sabem que a aprendizagem acontece de várias formas diferentes. As abordagens tradicionais que pretendem ser um padrão geral não têm sido eficazes para atender as necessidades diversas de aprendizagem de todos os alunos. Os educadores sabem agora que a aprendizagem é tão diversa quanto os alunos. A instrução é mais eficaz quando baseia-se nos pontos fortes do aluno. O UDL ajuda o educador a ampliar e diversificar as formas pelas quais ele apoia a aprendizagem do aluno.

Três princípios: a criação de ambientes flexíveis e sem barreiras

O sistema UDL é organizado a partir de três princípios iii. Cada princípio baseia-se no que os educadores sabem sobre a aprendizagem. Apesar de cada princípio ser apresentado separadamente aqui, todos interagem durante a aprendizagem. Ao analisar cada uma dessas maneiras pelas quais aprendemos, podemos entender melhor as necessidades de todos os alunos e, em última análise, ajudar os educadores a criar ambientes de aprendizagem inclusivos.

Proporcionar múltiplos meios de representação
Este princípio baseia-se em como percebemos a informação e interpretamos a linguagem e os símbolos usados, e depois, como processamos e entendemos a informação. Os alunos não fazem todas essas atividades da mesma maneira. Por exemplo, dentro de qualquer sala de aula há alunos com uma variedade de habilidades linguísticas, devido a transtornos de comunicação, falta de familiaridade ou inexperiência com o idioma ou simplesmente diferenças naturais em proficiência linguística. Como os educadores sabem que tais diferenças existem, podem planejar de acordo e antecipadamente.

Proporcionar múltiplos meios de ação e expressão
Este segundo princípio baseia-se em como agimos em nossos ambientes físicos, como expressamos e comunicamos o que estamos aprendendo e depois como planejamos, monitoramos, organizamos e gerenciamos nossa aprendizagem. Assim como no caso do princípio de representação, nem todos os alunos fazem todas essas atividades da mesma forma. Em termos de expressão e comunicação, alguns alunos serão ótimos escritores enquanto que outros serão melhores na fala. Alguns alunos precisarão de tecnologia de apoio, outros não. Os educadores sabem que esses tipos de diferenças estarão presentes em qualquer sala de aula e que se apenas deixarem os alunos fazer algo de uma única maneira, nem todos os alunos aprenderão. A ideia por trás do UDL é que os educadores antecipem essas diferenças.

Proporcionar múltiplos meios de engajamento
O último princípio baseia-se em como prestamos atenção, persistimos e vencemos obstáculos difíceis e como regulamos nossas emoções e motivação para aprender de maneira eficaz. A emoção e engajamento são aspectos cruciais da aprendizagem, apesar de frequentemente não serem reconhecidos como tais. Os educadores podem ajudar os alunos a engajar-se e a desenvolver a autorregulação. É claro que nem todos os alunos se envolverão com a aprendizagem da mesma maneira. Por exemplo, alguns alunos gostarão muito de matemática e outros terão fobia dela. Alguns alunos persistirão em frente a qualquer obstáculo, outros talvez queiram desistir quando o processo de aprendizagem for difícil. Os educadores precisam pensar sobre maneiras de incluir a flexibilidade no currículo e eliminar o maior número possível de barreiras ao engajamento dos alunos. Proporcionar múltiplos meios de engajamento poderá ajudar todos os alunos a persistir e manter-se motivados.

Como é que os pais podem ajudar?

A educação é mais eficaz quando há uma parceria entre educadores e pais. Os pais podem trabalhar com as escolas para garantir que as necessidades únicas dos filhos sejam atendidas dentro da sala de aula e em outros ambientes escolares. O UDL ajuda a criar ambientes onde todos os alunos podem ser incluídos ao criar currículos flexíveis e que antecipem múltiplas necessidades dos alunos. Com o UDL, os pais e a escola podem colaborar para garantir que a educação atenda as necessidades de todas as crianças desde o início.

1 Rose, D. H., & Meyer, A. (2002). Teaching Every Student in the Digital Age: Universal Design for Learning. Alexandria, VA: Association for Supervision and Curriculum Development.
2 UDL-IRN. (2011). Critical Elements of UDL in Instruction (Version 1.2). Lawrence, KS: Author.
3 CAST. (2011). Universal Design for Learning Guidelines version 2.0. Wakefield, MA.